quinta-feira, 4 de março de 2010

Adoro-te

Por Jefferson Acácio


Adoro sua inconstância
Suas peraltices de menino desatinado.
E quando você está ligado
E quando se desliga.

Quando parte não leva nada de mim
E quando volta traz tudo o que preciso
Rouba-me as verdades e me compra com as mentiras

Adoro seu vendaval
Quando me arrasa por dentro
E consome minhas horas
Derrota minha paciência
Me esgota em lágrimas
Esvanece meu tempo

Adoro-te...

Como uma flor no jarro
Água na chaleira
O verbo ainda não conjugado
O dia que ainda não nasceu

Adoro sua ausência nos lugares que ando
E ainda assim, sua presença em mim
Onde o tenho de verdade como minha propriedade

Adoro como faz comigo e com as outras
Quando busco por você nas bocas sedentas
Somente adoro em palavras desmedidas
Em suspiros altos, que acordam as paredes da casa
Adoro-te em pensamentos e cegueiras

Nenhum comentário:

Postar um comentário

siga por email