sábado, 3 de abril de 2010

Douradinho Meia-Dia

Por Jefferson Acácio


Quando você tirar a venda
Não vai querer me vender pra ninguém
Vai me levar pro escurinho
Amor, um cineminha cai bem

Quando você visitar minha casa
Não vai querer outro caso com alguém
Vai me comprar pela boca
Amor, uma cervejinha cai bem

Se me arrastar para a cama
Prometo que não faço um drama
Se pensar que eu caí no seu papo
Amor, aí que você se engana

Quando você toca um pandeiro
Arrepia meu corpo inteiro
E quando amarra meu nome num verso
Declaro esse amor para o universo

Irá se importar quando eu escrever uma modinha
Irá se incomodar quando eu papear sobre você pra vizinha
Irá se irritar quando o feijão pegar na panela
Irá me amar mais, se eu deixar no teu corpo aroma de canela?

Cai bem te fazer subir pelas paredes
Pra concertar as goteiras do assoalho
Cai bem refogar você de óleo e alho
Pra te comer douradinho, ao meio-dia, bem temperado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

siga por email