domingo, 11 de abril de 2010

Cinzeiro

Por Jefferson Acácio


Aqui, reduzido às cinzas do teu cigarro.
Produto das tuas chamas apagadas
Consumistes-me até os calos e valores
Sou metade do teu vício jogado fora
Sou as sobras e as sombras de cada hora

Aqui, essa labareda entreapagada
Que aspira pelo teu oxigênio para reacender
Mas é perigo que caias de novo no vicio
Mas consumir-me é tua função,
Venha cheio de voracidade e excitação.

Antes das cinzas eu sou o cinzeiro
Antes do cinzeiro eu sou o teu cigarro e fumaça esvaída
Antes da fumaça eu sou chumaço de fogo e faísca
Eu sou um amante que causa dependência química
Eu sou a própria química da tua vida absenteísta.

Foto Vinicius Neves(http://www.vestudio-portfolio.blogspot.com/)

6 comentários:

  1. Parabéns pelo conceito do blog, estou absorvendo seu canto literário, te sigo!

    ResponderExcluir
  2. Oi Jeferson, fiquei feliz em saber que gostou da minha maneira de escrever...isto é reconhecimento. Obrigada!!!
    Obrigada também por me seguir e recomendar meu singelo blog, mas como você o descobriu?
    Não tenho nada publicado ainda, mas pretendo fazê-lo. Aliás, curiosamente, o poema que vc postou foi escrito, especialmente, para uma apresentação de dança em que o cordel era a matéria prima.
    Você escreve muito bem também, parabéns pelas publicações...maravilhosas!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Olha a evolução do menino...
    parabéns Jeff

    abraço

    ResponderExcluir
  4. parabéns seu Blog ta show ..
    Otima Postagem !
    Um abração

    ResponderExcluir
  5. Parabens, Jefferson.

    Fantástico. Fiz uma viagem nessas linhas.
    Mande-me mais, quando as inspirações surgirem.

    Um abraço e Obrigado pela lembrança.
    Sérgio Jacob

    ResponderExcluir
  6. PARABENS QUERIDO,ADOREI SEU BLOG..
    GRANDE ABRAÇO PRA TI
    VOU LER SEMPRE..

    ResponderExcluir

siga por email