segunda-feira, 19 de novembro de 2012

NOITE DE ONTEM



 (Por Jefferson Acácio)

Vou mergulhar num amor
cujas águas não me afoguem de mágoas
Um amor que não me cause medo
de ir o mais profundo sem os riscos do desconhecido
pois as águas são cristalinas e mansas
E onde somente os corais são surpresas
Sei que existe um rio que se confunde com um Oasis
que eu não precise de bote ou colete salva vidas
onde eu possa me banhar como uma criança
Onde ao seu redor as flores são beijadas por um colibri
Amores superficiais não são convidativos
pois não costumo preferir um barco ou um remo
para navegar somente nas superfícies
as maravilhas de um amor verdadeiro estão escondidas no mergulho
Águas frias não me interessam, e amores de ilusão não me interessam
Conheço bem o que é ser devastado por uma enchente de emoções.
Emoções de sobrevivência, em busca de qualquer algo
que possamos nos segurar para não ser carregado feito nada
As vezes eu me pergunto, senhor... Onde está esse tipo amor...
que não parece pertencer a esse mundo?
E ele não me responde, simplesmente, porque
somente ele é esse amor.
Enquanto ele estiver dormindo, as noites de ontem serão sempre de tempestades
O amor que há na terra é somente uma representação figurada
que só consegue ser um pouco mais real quando abençoada por Jesus
Aquele que amansa as águas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

siga por email